Ontem e sempre, SALDANHA

Hoje, TASSO


1884

PÁTRIA, LIBERDADE E DEMOCRACIA

NOSSO É O DEVER DE DEFENDÊ-LAS!


2015

PRONUNCIAMENTOS DE CAMPANHA

ÉTICA E MORAL, PILARES BÁSICOS DA SOCIEDADE NACIONAL

A família, célula básica da sociedade, está harmonicamente estruturada quando amor e respeito presidem as relações entre seus integrantes. Há papéis claramente definidos para cada um dos seus membros, que devem ser cumpridos com afeto e responsabilidade, visando o bem comum desse núcleo social único e o desenvolvimento de cada um dos seus indivíduos.
É no seio da família que as crianças vêm ao mundo, abrem os olhos para o ambiente exterior que as cerca e envolve para o resto da vida, ensaiam os primeiros passos e os primeiros relacionamentos interpessoais, têm a primeira escola, informal, que as prepara para a grande aventura do existir. E ali, também, que tomam contacto com o que é certo e errado, são orientadas sobre o bem e o mal, pela ação cuidadosa e presente dos pais, os primeiros educadores.
A mãe, normalmente, tem papel preponderante na formação afetiva, por sua proximidade mais íntima desde o processo de gestação. Já ao pai, corresponde representar o princípio da autoridade, a estar presente até o fim da vida de cada pessoa. A forma como o filho se relaciona com o pai e com sua autoridade marcará o modo pelo qual se relacionará com qualquer forma de autoridade no futuro.
Desde a quadra tão importantante da infância, e por toda a adolescência/juventude, os pais verdadeiramente amorosos, responsáveis e interessados na felicidade dos filhos, impõem limites aos seu comportamento e ao natural impulso de tudo querer fazer e de tudo possuir para si. É esse o verdadeiro preparo para a vida, pois nem sempre tudo será alegria, vitória, sucesso, sonhos realizados. Dores, tristezas, frustrações, derrotas fazem parte do existir e é preciso estar preparados, prontos a enfrentá-las, assimilá-las e partir com fibra para outros desafios...
A Nação é a família grandemente ampliada, repercutindo nela diretamente a formação advinda do núcleo social básico. No Brasil, ademais, a influência espiritual e ético-moral dominante é a da Igreja cristã. Não por acaso, despertamos para o mundo civilizado com as caravelas que traziam a Cruz de Cristo em seus panos, chamamo-nos primeiro de Ilha de Vera Cruz e depois Terra de Santa Cruz, e nossos ancestrais europeus eram os incomparáveis navegantes portugueses, que, com muita bravura e coragem, na maior epopéia da humanidade, lançaram-se ao desconhecido do Mar-Oceano, para dilatar a Fé e o Império, estendendo as fronteiras do mundo civilizado para todos os continentes...
Depois, ao longo da nossa bela História, vieram ter conosco grandes contingentes de povos de muitas origens e religiões, uns como escravos, outros em busca de oportunidades e de abrigo e que fizeram da Terra dadivosa do Brasil seus novo lar. Integraram-se a nós, contribuíram com seu trabalho para a grandeza da Pátria e trouxeram para nós o enriquecimento dos seus usos, costumes e crenças. E assim fomos formando exemplar e abençoada Nação multirracial e multirreligiosa, unida pela fé no trabalho enobrecedor, na solidariedade e no respeito pelo semelhante, promovedores da paz, e na busca incessante pelo Bem Comum, sob as bênçãos de Deus com variados nomes, de acordo com o fervor de cada um. Desse modo, surgiu para o mundo “o País do Futuro”, a “Terra da Esperança”, a “Pátria do Evangelho”, nosso único e amado Brasil! Os brasileiros éramos felizes e críamos piamente no grande destino que nos estava reservado.
Tive a maravilhosa experiência de, como Guarda-Marinha., no verdor dos vinte anos de idade, viajar pelo mundo na inolvidável Viagem de Instrução de 1957, a bordo do saudoso NE “Duque de Caxias”. Estando na Europa, em contacto primeiro com o berço da civilização como a entendemos e com tantos países mais ricos e adiantados, sentia orgulho enorme do nosso País e do papel preponderante que estava fadado a desempenhar no mundo, mercê do gigantismo de sua base territorial, das suas incalculáveis riquezas naturais e do dinamismo, da boa índole do seu povo.
Pouco depois, veio a segunda e mal sucedida tentativa de domínio comunista sobre nós, reeditando a traiçoeira Intentona de 1935, eliminada pela Revolução Restauradora de 1964, quando, uma vez mais, as Forças Armadas ouviram os clamores do povo e cumpriram seu dever de salvar a Pátria ameaçada. Seguiram-se anos de paz, ordem e progresso, em que o Brasil ascendeu da condição de quadragésima-oitava economia do mundo para a de oitava. Havia planejamento estratégico rigoroso, de acordo com o ensinado pela Escola Superior de Guerra, competência, moralidade e ética presidindo a administração pública, e criteriosa, eficaz, eficiente e honesta aplicação dos recursos oriundos dos impostos pagos pelos brasileiros. O País desenvolveu-se em todas as expresões do Poder Nacional, em todos os setores e em todas as regiões. A segurança era garantida e o Brasil fazia-se respeitar e era respeitado em todos os foros do mundo: ninguém tinha a audácia de querer interferir em nossa soberania ou tentar dizer-nos o que fazer! O critério básico dos sucessivos governos chefiados por militares era de conquistar e manter os Objetivos Nacionais, na busca concreta da realização do Bem Comum!
No início da década dos 1980, o celebrado autor americano Ray Cline, em seu livro de ampla repercussão, “ The Balance of World Power”, comparando o Brasil e os Estados Unidos da América de então, atribuiu pesos iguais aos potenciais em todas as Expressões do Poder Nacional e às Estratégias Nacionais respectivas de ambos os países, mas afirmava que a vontade nacional brasileira de realizar seu projeto era superior à americana do norte. Eram os anos do governo militar em Brasília e da tíbia administração Jimmy Carter em Washington.... Assim, acredito que, entre todas as Expressões do Poder, a Política, a Econômica, a Militar, a Psicossocial e a Tecnológica, a mais importante e base de tudo é a Psicossocial. É dela que derivam o moral, a moral, a vontade nacionais de realizar, progredir, ousar, lutar... De que adianta uma Força Armada poderosa, avançada em termos materiais e técnico-científicos, se composta de homens desfibrados, desmoralizados, medrosos e covardes? Ao contrário, uma força menor, mais fraca, mas composta de guerreiros bravos e corajosos está no caminho da vitória! A História é plena de exemplos frisantes, inclusive nas guerras mais recentes, para não falar em Maratona...
Em meados da década de 1950, porém, apareceu na realidade brasileira um novo fator de modificação de comportamentos e valores, em massa: era a televisão que surgia! Se utilizada para o bem e como instrumento de educação e de difusão de cultura, tem valor e alcance positivos extraordinários, mas se usada para a difusão do mal, seus efeitos são catastróficos. Foi o que logo passou a acontecer, por motivaçãoes iniciais basicamente de lucro, de pecúnia. Principalmente as novelas desagegadores dos bons hábitos e costumes, mas também a ampla difusão sensacionalista de crimes nos noticiários e a exibição em qualquer horário de filmes em que imperavam a violência, na desatinada briga por audiência e “pontos do ibope” em que se lançaram emissoras e redes, os maus exemplos e o incentivo de ações desagregadoras e condenáveis passaram a ser crescentemente mortais para as famílias, a base ética e moral da sociedade, atingindo indiscriminadamente as crianças, vítimas indefesas da “babá eletrônica”, os jovens e as pessoas adultas mais simples e iletradas, que dedicavam grande parte dos dias à admiração passiva, castradora da imaginação criativa da telinha...
Enquanto isso, prosseguia a guerra psicológica pela conquista das mentes por parte do movimento comunista, em todas as manifestações e linhas de que se constituía. Agora, de forma deliberada e subordinada a fins ideológicos, redações, equipes de reportagem, movimentos artísticos e culturais, etc, foram crescentemente infiltrados por seus agentes e seguidores, para desmoralizar os valores e a educação “burguesas”, difundir maus hábitos, costumes e perversões, para que passassem a ser considerados “normais”, debochar da virtude, criar antivalores que passassem a ser moda, perseguir e desmoralizar os que não seguiam sus cartilha. Desse modo, progressivamente se foi estiolando o tecido social, para mais facilmente ser dominada a Nação, pelo enfraquecimento do seu estofo ético e moral e sua capacidade de indignar-se e reagir ao mal, no caminho programado da revolução.
Eis que, no quadro que se foi formando a partir de 1990, as forças desagregadoras empalmaram o favor da maioria do povo pela intensa propaganda em que são mestras, baseada em promessas falsas e num mundo virtual, sem qualquer relação com a verdade dos fatos, e chegaram ao governo da Republica em 2002, ali permanecendo até agora, sempre pelos voto,e buscando o poder total e permanente. Pelas diabólicas urdiduras ensinada por Antonio Gramsci, continua a pleno vapor, e com grande sucesso, o processo de destruir tudo de bom que logramos construir em nossa História, para subverter a ordem democrática estabelecida e erigir uma outra, totalitária, tirânica, de esquerda extremada em seu lugar.
O governo se omite propositadamente do seu papel de ser bom exemplo e indutor de hábitos e procedimentos virtuosos por parte da população. Muito ao revés, voltando ao exemplo inicial da família, que precisa do bom exemplo e da boa atuação dos pais para manter-se íntegra, por sermos conduzidos por um sistema que falseia a verdade, manipula estatísticas e versões fantasiosas de fatos correntes em benefício de seu projeto de poder, atenta contra a austeridade e o pudor no uso dos impostos sofridamente pagos pela população, seguidamente se vê envolvido em gravíssimos escândalos referentes ao desvio/mau uso dos bens e recursos públicos e mesmo no campo do comportamento pessoal dos integrantes escorrega em pesados deslizes, padecemos de grave crise ética, que se espalha como praga maldita pelos mais variados segmentos sociais.
Nosso querido País está mergulhado em verdadeiro atoleiro moral, em vias de chegar à decadência sem jamais haver atingido o apogeu. Se os patriotas, as pessoas de bem, as elites responsáveis pela condução do povo continuarem passivas, inertes, apenas assistindo o encaminhamento nacional para o trágico destino que se delineia, serão malditas, julgadas pelo crime de lesa–Pátria pelos tempos afora, e responsáveis pelo infortúnio de filhos, netos, descendentes de todas as futuras gerações. É mais que hora, pois, de empreendermos a reação que resgate o Brasil para o caminho do grandioso destino sonhado pelos bravos antepassados que nos permitiram ter, com seu sacrifício em sangue, suor, lágrimas, trabalhos e sofrimentos, o portentoso patrimônio nacional de que usufruímos até agora, mas também em perigo.
Pela cuidadosa educação das gerações mais jovens, pelo nosso trabalho honrado, pela luta permanente contra toda forma de mal e de extremismo, pelo fortalecimento da Família, da Religião, do Patriotismo, de todas as formas de Bem, da Paz, da Justiça, do Direito, da Liberdade e da Democracia, haveremos sim de elevar os pilares da nacionalidade, a Ética e a Moral, na Terra de Santa Cruz, ao nível desejado para realizar o sonho do Grande Projeto Brasileiro!
BRASIL, MARINHA, HONRA, GLÓRIA, DEVER, VALOR SEMPRE!

Rio de Janeiro, 13 de fevereiro de 2015
SERGIO TASSO VÁSQUEZ DE AQUINO - Vice-Almirante
Da Academia Brasileira de Defesa e do Instituto de Geografia e História Militar do Brasil
Candidato a Presidente do Clube Naval pela Chapa Liberdade e Democracia,

Para conhecer-me melhor, meus ideais, propósitos e ideias, peço que acesse o site http://www.cidpereira.adv.br/cneleicao2015.php

VOLTAR  


Desenvolvido por CID PEREIRA, Tel 21 996046650, E-mail: cidcostap@yahoo.com.br